Número total de visualizações de página

sábado, 11 de abril de 2009

33º álbum - Santa Maria das Júnias

O mosteiro de Santa Maria das Júnias fica perto da aldeia de Pitões das Júnias, no interior norte de Portugal, não longe da fronteira com a Galiza. Faz parte do concelho de Montalegre, distrito de Vila Real.

É uma região montanhosa, de um encanto agreste e bravio e de uma rudeza quase intocada.

O mosteiro fica no fundo de um fundo vale, por onde corre um ribeiro, tão límpido e rumorejante que os frades não hesitaram em partilhar com ele a sua solidão.

Ao mosteiro só se chega a pé, por um caminho áspero feito com pedra tosca de granito. Ainda as ruínas não estão à vista, escondidas pela fundura do vale e pelo arvoredo, e já o som fresco do ribeiro nos chega aos ouvidos. Por fim, no fundo do vale e do caminho, as ruínas, no seu sossego e desamparo.
Santa Maria das Júnias foi, de início, um simples eremitério de origem pré-românica, fundado no séc. IX, longe dos caminhos e dos sítios habitados. Isolamento, pobreza, ascetismo eram a regra. O mosteiro e a sua igreja foram erguidos ainda antes da fundação de Portugal, na primeira metade do séc. XII. Ocupado primeiro por monges beneditinos, passou, em meados do séc. XIII, a seguir a regra de Cister. No início do séc. XIV, foi sujeito a obras de manutenção e melhoramento, datando dessa época a construção do claustro e a ampliação da capela-mor. Em meados do séc. XVIII, a igreja beneficiou ainda de obras de restauro e foi redecorada com retábulos em talha dourada. Mas, a partir daí, o mosteiro entrou em decadência, perdendo monges e rendimentos. Até que, em 1834, Santa Maria das Júnias foi, como todos os outros mosteiros, extinto, e o seu último monge passou a exercer a função de pároco da vizinha aldeia de Pitões das Júnias. Por fim, na segunda metade do séc. XIX, um incêndio devastou a maior parte das dependências do mosteiro. Ficaram as ruínas e as memórias. E o encanto do lugar.
Fotos: Jorge Cunha

1 comentário:

MeLtAmOrFoSe disse...

Que lindas fotos! Adorei! Senti como se estivesse lá também. Ficou aquela vontade de conhecer esse lugar. Onde fica escondida essa beleza?

Um abraço