Número total de visualizações de página

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Rio Dornas

Um silêncio que nada perturba. Os montes na serena quietude de monges que contemplam a obra divina. Duas nuvens brancas encalhadas no azul. Encostas por onde o verde se derramou, aspergidas aqui e ali de amarelo e roxo. Nos pontos mais altos, árvores que a Primavera tardia ainda não remoçou. Um regato no fundo do vale, que uma linha glauca apenas faz adivinhar. E em tudo a serenidade e a paz que só a Natureza sabe dar.

2 comentários:

Gina Mariano disse...

Obrigada por este momento de paz e de beleza.
Abraço Gina

Jorge Cunha disse...

Comentário feito por Maria Elisa Martins dos Santos

Divinal!
Aliar a serenidade e a paz da Natureza à melodia da voz e instrumentos, só podia resultar nesta obra genial.
Parabéns.
Planeta Azul agradece